Mio Vacite: A Liderança da Paz

 

       O Cigano Mio Vacite é presidente da União Cigana do Brasil, músico violinista, além de fundador do grupo Mio Vacite e o Encanto Cigano. Indicado pela International Federation Roma Inc., que tem estatuto consultivo na ONU. Mio Vacite conversa com a Mistérios de Orunmilá e fala da cultura do seu Povo, um povo que propaga a paz por onde passa.

 

       Mio Vacite do Clã HORAHANO, aos 77 anos é um líder de uma cultura, patriarca e um exemplo para os Ciganos e não Ciganos. Recebeu várias condecorações, tem o título de cidadão Benemérito de Niterói, Moção Honrosa relativo a Direitos Humanos, já participou de diversos programas na televisão entre muitos podemos citar Explode Coração, Faustão, Especial de Fim de Ano da Globo, Esquenta e muitos outros. Sempre divulgando a cultura cigana para conhecimento dos não ciganos e defendendo uma proposta de paz.

 

       Mio Vacite foi o primeiro cigano a ter uma carteira assinada como músico, já esteve no palco do Rock in Rio, tocou em Brasília para os presidentes Geisel e Sarney, já pertenceu à Sinfônica Nacional e do Grupo de Violinos do Rio e com o seu grupo Mio Vacite e o Encanto Cigano, recebeu várias premiações como melhor grupo cigano (1996 conferido pela FADERJ), melhor intérprete e compositor do CD "Coração Cigano" (Som Livre), entre outras.

 

"A música cigana sai da alma, é a exaltação da alegria e quando a tocamos e dançamos, compartilhamos a alegria pois el não é só sua"

- Mio Vacite

 

Mio Vacite e o Encanto Cigano

 

       Mio Vacite tem orgulho de ser Cigano, pois os Ciganos prezam por uma conduta de honestidade, a moral é a sua Lei e é muito importante que todos tenham conhecimento da dignidade desse povo, pois ainda existe muito preconceito velado. Quando um Cigano revela que é Cigano, as pessoas ficam apreensivas, mudam seu tratamento e até mesmo na música não recebe os mesmos elogios que os não-ciganos.

 

"Não vamos lutar, vamos esclarecer. Somos contra a violência" - Mio Vacite

 

       Os Ciganos são acolhedores e não cultivam o ódio, não lutam e esclarecem com o diálogo, sem brigas. Sua língua é ágrafa, não tem escrita e é passada de Pai para Filho e esse sistema também é uma form de preservação de uma cultura, da história e dos costumes desse povo que precisou ser nômade devido às tantas perseguições sofridas ao longo da história.

 

       Os Ciganos seguem as leis do país que os acolhem, porém existe um tribunal cigano proibido para os não-ciganos (Gadjos) que podem durar vários dias com as leis próprias dos Ciganos, e são realizados pelos Anciões, sendo que uma das piores punições para os Ciganos é o isolamento, onde ele não pode seguir nem conviver com os costumes do seu povo e de sua etnia, com isso sua família morre, pois não mais pertence a comunidade.

 

"Os Ciganos são o povo mais pacífico do mundo, pois não temos o DNA da guerra" - Mio Vacite

 

       O Homem Cigano não bate em mulher e as crianças são acolhidas e nunca agredidas. Conta-se um caso, entre os Ciganos, que uma criança, filho de Ciganos novos e casados, mexeu em um objeto e o Pai Cigano deu um tapa com vigor na mão da criança para repreende-la. Neste mesmo dia, a criança adoeceu e a mão gangrenou e precisou ser amputada. Quando o pai foi visitar o filho acamado a criança falou: "Papai, não faço mais, devolve a minha mãozinha" e o pai se matou.

 

"O Cigano nunca ri da desgraça dos outros, temos medo que aconteça conosco" - Mio Vacite

 

       O Povo cigano é intuitivo por natureza, pois são adivinhos e trazem a leitura das cartas e a Quiromancia, que desde criança são orientados pelos mais velhos, e a sua religião normalmente segue  predominante do país que reside. A padroeira dos Ciganos é Santa Sara de Kali, que aqui no brasil foi muitas vezes substituída nos acampamentos Ciganos pela Padroeira do Brasil, Nossa Senhora de Aparecida.

 

 

       A imagem acima é de um muro na vila de Mio Vacite, uma homenagem à sua esposa, a saudosa cigana Liz Vacite.

 

"Não cabe a um religioso dizer que é guerreiro ou lutador, ele precisa disseminar a paz e não falar de guerra" - Mio Vacite

 

       A etnia do povo Cigano por onde passa deixa para os demais povos o exemplo que a paz pode ser feita sem guerra e propagada para todo o mundo.


"A Bandeira Cigana não está manchada com o sangue dos inocentes, ela é limpa de violência, ela deveria ser o simbolo da paz" - Mio Vacite<