Separados no Berço

August 9, 2018

 

       Os xamãs foram chamados de primitivos, pelos homens brancos colonizadores. O mundo evoluiu, humanizou, e hoje observamos descobertas científicas trazendo de volta costumes e estudos xamãs.

 

      A cultura predominante gosta de afirmar o quanto o homem é diferentes dos demais animais, Talvez seja apenas para alimentar o egoísmo, que os homens dominam melhor que os demais. O curioso é que a National Geographic divulgou um estudo biológico que mostra que o DNA humano não tem nada de exclusivo: plantas e anfíbios, mamíferos e até vermes possuem muitos genes iguais aos do Homo sapiens. Esse compartilhamento é um forte indicador de uma origem comum. Veja o quanto nossos genes são similares:

 

90% Chimpanzé (Pan troglodytes)

 

88% Rato (Mus musculus)

 

85% Vaca (Bos taurus)

 

84% Cachorro (Canis familiaris)

 

84% Cavalo (Equus caballus)

 

73% Peixe paulistinha (Danio rerio)

 

69% Ornitorrinco (Ornithorhynchus anatinus)

 

65% Galinha (Gallous gallus)

 

50% Banana (Musa acuminata)

 

47% Mosca (Drosophila melanogaster)

 

44% Abelha (Apis mellifera)

 

38% Lombriga (Caenorhabditis elegans)

 

24% Uva (Vitis vinifera)

 

      Os determinantes genéticos também passaram a ser enfatizados por psicólogos da personalidade que enfatizam nossa herança evolutiva (Buss, 1991; 1995; 1999; 2000; Buss e Kendrick, 1998). Segundo esses psicólogos, muitos padrões de comportamento datam de nossa herança evolutiva e relacionam-se com genes compartilhados com membros de outras espécies. Os genes nos tornam parecidos, apesar de nossas diferenças como indivíduos.

Share on Facebook
Share on Twitter